Orientações e

Perguntas

professional-medical-personnel-can-help-

CIRURGIA MICROGRÁFICA

(PERGUNTAS FREQUENTES)

 

01|

CIRURGIA MICROGRÁFICA É A MESMA COISA QUE CIRURGIA COM CONGELAÇÃO?

Não. As duas utilizam o método de congelação para fazer a análise dos tumores, mas na cirurgia micrográfica examina-se praticamente todas as margens do tecido removido, enquanto que na cirurgia convencional com congelação é feita uma análise por amostragem (apenas uma pequena amostra das margens é examinada, havendo maior risco de falhas na avaliação da retirada ou não do tumor).

02|

QUAL A VANTAGEM DE SE FAZER A CIRURGIA MICROGRÁFICA?

A cirurgia micrográfica pode ser considerada a técnica mais refinada, precisa e efetiva para o tratamento dos tipos mais frequentes de câncer da pele. Por meio dela é possível identificar e remover todo o tumor, preservando a pele sã em torno da lesão. O procedimento consiste na retirada do câncer da pele, camada por camada, e do exame de cada uma delas ao microscópio, até que se obtenha margem livre, ou seja, até a remoção completa do tumor (o nível de precisão e acerto pode chegar a 99%). Esta precisão é possível já que praticamente 100% das margens são checadas. A análise é realizada durante a cirurgia e a reconstrução da ferida operatória é feita no mesmo dia, para a maioria dos casos.

03|

QUALQUER CIRURGIÃO FAZ ESSA CIRURGIA?

Para a realização da cirurgia micrográfica é necessário que o médico tenha conhecimento dos tumores, de histologia, de cirurgia, assim como de técnicas de reconstrução, e deve passar por um intenso treinamento para se aperfeiçoar na técnica. A cirurgia micrográfica nasceu e se desenvolveu dentro da dermatologia, motivo de orgulho para esta especialidade. O cirurgião dermatológico certificado é capacitado para a realização desse tipo de cirurgia. 

Clique aqui e veja a lista de cirurgiões certificados pela Sociedade Brasileira de Dermatologia em cada Estado do Brasil.

04|
QUAIS AS PRINCIPAIS INDICAÇÕES DA CIRURGIA MICROGRÁFICA?

A cirurgia de Mohs é indicada para:

- Carcinomas basocelulares de risco aumentado para recidiva;
- Carcinomas espinocelulares (ou de células escamosas);
- Dermatofibrossarcoma protuberans;
- E alguns tumores mais raros de pele.

Ela pode ser indicada, também, para os carcinomas basocelulares considerados de baixo risco de recidiva, quando o objetivo for preservar a pele sã. Seja para reduzir o tamanho da cicatriz, como para áreas em que não existe pele em excesso para realizar a reconstrução, como ocorre, por exemplo, nas regiões auriculares (orelhas), nas pálpebras e na glande.

05|

A CIRURGIA MICROGRÁFICA É A MELHOR OPÇÃO PARA TODOS OS TIPOS DE CÂNCER DE PELE?

A cirurgia micrográfica é a melhor opção principalmente para o carcinoma basocelular e espinocelular (que são os cânceres de pele mais comuns). 

O tratamento do melanoma com essa técnica ainda é controverso, mas a utilização de marcadores imuno-histoquímicos está aumentando a utilidade da técnica em alguns tipos de melanoma menos agressivos. 

06|

QUANTO TEMPO DURA A CIRURGIA MICROGRÁFICA?

A cirurgia dura em média 3-4 horas. Pode demorar mais ou menos dependendo do número de fases necessárias para remover completamente o tumor. Em alguns casos a cirurgia precisa ser interrompida e finalizada no outro dia, mas não é um fato comum. A demora está mais relacionada com o método de processamento e análise do material removido, e durante essas fases o paciente estará com um curativo e muitas vezes poderá assistir televisão ou fazer outras coisas enquanto aguarda (comer um lanche, ler um livro, utilizar celular ou tablet, etc).

07|

É NECESSÁRIO RISCO CIRÚRGICO? TENHO QUE FAZER INTERNAÇÃO? O PROCEDIMENTO É FEITO EM HOSPITAL?

O risco cirúrgico é solicitado dependendo do caso. Geralmente o procedimento é feito em regime ambulatorial, em clínicas especializadas, sem necessidade de internação. Alguns casos podem ser feitos em Hospital, se necessário. 

01|

É COMUM SENTIR DOR APÓS A CIRURGIA?

A dor é comum, mas nem sempre irá acontecer e também pode ocorrer apenas um leve desconforto ou dolorimento no local operado.  Em caso de dor ou desconforto mais importante, poderão ser prescritos analgésicos simples.

02|

É COMUM TER SANGRAMENTO APÓS A CIRURGIA?

Não é comum, mas pode ocorrer pequeno sangramento que suja o curativo, principalmente nas primeiras 48 horas após o procedimento. Em alguns casos pode ocorrer um pequeno sangramento mais persistente, que na maioria das vezes é controlado se o paciente comprimir o local continuamente por 10 minutos. Sangramentos muito persistentes ou em grande volume ou inchaços grandes e repentinos (que podem indicar um sangramento interno) devem ser comunicados ao cirurgião.​

03|

É COMUM A FORMAÇÃO DE CICATRIZES?

Sim. Toda cirurgia deixa cicatrizes, mesmo que discretas. Na maioria das vezes a cicatriz fica mais avermelhada nos primeiros meses e depois vai chegando num tom mais próximo ao da pele da região. É preciso paciência, pois a cicatriz pode demorar vários meses para se tornar mais discreta, e em alguns casos podem ser necessários tratamentos complementares para tentar melhorar o aspecto dessas cicatrizes. A maioria dos cirurgiões aguarda de 6 a 12 meses para tentar algum tratamento complementar sobre as cicatrizes. Avise seu cirurgião caso você tenha histórico de má cicatrização ou queloides.

04|

QUAIS CUIDADOS DEVO TER ANTES DA CIRURGIA?

Cigarro? Melhor evitar!

O cigarro pode prejudicar bastante a cicatrização, e provocar necrose e outras complicações, principalmente se for necessário fazer um enxerto ou retalho na área operada. O ideal seria parar de fumar 7 dias antes da cirurgia e só voltar a fumar 7 dias após a cirurgia (não é fácil, mas é o recomendado. Se for possível, aproveite para abandonar de uma vez o hábito de fumar, que realmente não traz nenhum benefício à sua saúde).

Evite bebidas alcoólicas na noite anterior à da cirurgia e nas primeiras 48 horas após a cirurgia.

Lembre-se de levar um acompanhante no dia da cirurgia, por mais simples que ela seja, e não pense em dirigir, pois não é possível prever se ocorrerá alguma complicação ou algum mal estar logo após a cirurgia, então é melhor se precaver. Volte de carona ou táxi. 

Medicação pré-operatória: apenas os medicamentos que já utiliza normalmente. Se for necessária alguma outra medicação, o médico irá orientar.

Interrupção de alguma medicação: em alguns casos o médico pode pedir para suspender alguma medicação, por isso é importante que ele saiba quais remédios você está tomando, principalmente medicamentos que podem aumentar a chance de sangramentos, como aspirina, clopidogrel, varfarin, vitamina E, cápsulas de alho, antiinflamatórios, etc.

Jejum pré-operatório: normalmente não é necessário, sendo recomendado geralmente antes de anestesia com sedação (com anestesista). Se for necessário, o médico irá informar.

Evite no dia da cirurgia:

- joias (não coloque brincos, colares, anéis ou pulseiras, pois podem atrapalhar em alguns casos e até podem provocar queimaduras relacionadas com o aparelho de cauterização) 

- cosméticos (exemplo = bases, tinturas, protetor solar, maquiagem ou outras substâncias que possam atrapalhar a visualização da região operada), lentes de contato, esforço físico demasiado.

- roupas com muitos acessórios ou roupas novas ou roupas apertadas ou difíceis de retirar. O ideal é usar roupas leves, confortáveis, fáceis de colocar e remover.

- medicamentos que não tem costume (alguns pacientes podem querer tomar algum remédio que nunca tomaram, por indicação de algum amigo ou parente, como remédio para ansiedade, e isso pode provocar reações indesejadas e inesperadas se o paciente não tiver hábito de usar).

05|

OUTRAS INFORMAÇÕES IMPORTANTES

Termo de consentimento: hoje em dia é muito comum que os hospitais e clínicas solicitem a leitura e assinatura de um termo de consentimento. Leia com atenção e, se tiver alguma dúvida, pergunte ao médico. O termo não é uma autorização para que o médico faça qualquer coisa com você, é apenas um instrumento formal para informação do paciente, para que ele tenha a oportunidade de entender o procedimento que será realizado e esclarecer alguma dúvida que possa ter. Nesse termo geralmente se informa que toda cirurgia possui riscos, por mais simples que ela seja, e que o paciente entende e autoriza o médico a tomar as medidas necessárias para que tudo termine da melhor forma possível. 

Documentos: lembre-se de levar seus documentos, carteira do convênio se for o caso, forma de pagamento se for o caso, exames de sangue ou outros exames ou relatórios médicos que o médico solicitar ou que você ache importante mostrar.

Material para biópsia: o médico e a clínica não costumam entregar o material de biópsia diretamente para o laboratório. O material será entregue ao próprio paciente ou acompanhante, e será responsabilidade do mesmo levar a biópsia para exame no laboratório de patologia (normalmente o médico fornece o endereço do laboratório de sua confiança). O material estará dentro de um líquido chamado formol. O ideal é levar imediatamente para o laboratório. Caso não seja possível levar no mesmo dia, leve no dia seguinte, não sendo necessário guardar em geladeira. Apenas evite que o frasco fique deitado ou de cabeça para baixo para não correr o risco do formol escorrer, o que pode estragar o material da biópsia e prejudicar seu exame. 

MUITO IMPORTANTE

Não deixe de saber o resultado da sua biópsia. Por mais simples que a lesão possa parecer, e por mais tranquilo que você esteja em relação ao resultado, não fique esperando o médico entrar em contato para falar o resultado, e não pense coisas do tipo “se der alguma coisa perigosa o doutor deve me ligar” ou “se o doutor não ligou é porque não era nada”. Pode acontecer do seu exame não ser enviado para você ou para seu médico, ou acontecer qualquer outra coisa que impossibilite ou atrase o envio ou a leitura do resultado. Corra atrás do seu diagnóstico!

 

Geralmente ele estará pronto dentro de um período de 10-15 dias. Não permita que um diagnóstico de câncer de pele, por exemplo, passe batido. Lembre-se que tanto o laboratório como o médico atendem centenas de pessoas por mês, e é muito fácil algum resultado atrasar ou se perder no meio de tantos outros, o que pode atrasar o seu diagnóstico. Mesmo que seja um resultado simples (uma pinta, uma verruga, um cisto), não deixe de confirmar o resultado. Já tive pacientes que só ficaram sabendo o resultado após um ou dois anos, e alguns tinham câncer de pele! Existem casos de pacientes que só descobrem que tiraram um câncer quando aparece uma complicação do câncer, como por exemplo uma metástase. É triste, mas pode acontecer, e é importante que busquemos evitar essas surpresas. 

06|

APÓS SUA CIRURGIA

Não perca os papéis fornecidos pelo médico, que irão conter todas as orientações sobre o uso de medicamentos, cuidados gerais, etc.

Obedeça as recomendações e entre em contato sempre que tiver alguma dúvida. 

Evite esforço físico ou pegar peso. Evite sol e exposição a calor intenso. Na maioria das vezes, se recomenda evitar natação e academia até a remoção dos pontos, e é recomendado evitar exposição solar sem proteção por pelo menos 1 mês. 

Deixe a cabeceira da cama levemente elevada nos primeiros 2 dias, se a cirurgia foi feita no rosto.

Faça alimentação mais leve. Caso a cirurgia seja muito próxima da boca, evite alimentos duros ou quentes nas primeiras 48 horas. 

Em caso de sangramento, faça compressão no local durante 10 minutos ininterruptos. Se não resolver, faça isso novamente. Se o sangramento persistir, entre em contato com o médico.

Inchaço e manchas arroxeadas são comuns e costumam melhorar depois de alguns dias.

Evite tomar medicamentos para dor que não estejam na recomendação médica. Se achar necessário, pergunte ao médico sobre o uso de alguma outra medicação analgésica ou anti-inflamatória. 

Lembre-se de ligar para o consultório do médico para confirmar o dia e horário do seu retorno, mesmo que já esteja escrito nas orientações. É importante retornar para retirada dos pontos ou pelo menos informar o médico se tiver planos de retirar os pontos com outro profissional (alguns pacientes podem combinar de remover os pontos em outra cidade ou em unidades de saúde próximas das suas residências).

07|

ORIENTAÇÕES QUANTO AO CURATIVO

A primeira troca de curativo é no dia seguinte ou após 2 dias da cirurgia, na maioria dos casos (o médico costuma informar). Até lá, não molhe o curativo.

Retire o curativo na hora do banho, a menos que o médico oriente a não molhar o local, e lave a ferida com água e sabonete líquido neutro durante o banho, tentando remover com cuidado o excesso de crostas ou sangue seco que podem estar grudados.

Se quiser, pode utilizar soro fisiológico ao sair do banho para limpar mais o local.

Aplique uma camada do creme indicado pelo médico por cima dos pontos e cubra o local com curativo (gaze+micropore ou band-aid, tomando cuidado para não colar a parte adesiva sobre os fios, pois isso pode arrancar pontos e provocar dor e sangramentos, além de poder abrir a ferida).

Avise o médico se a ferida abrir (deiscência de sutura). É pouco comum, mas pode acontecer, e em alguns casos pode ser corrigido com uma nova sutura. 

PRÉ E PÓS OPERATÓRIO GERAL

(PERGUNTAS FREQUENTES)